08 outubro 2016

Eu sofri bullying - Cadê o meu refúgio?



*Com essa série de posts eu tenho a intenção de mostrar como o preconceito mexe com a gente de uma maneira que é irreversível e, portanto, a pena de 2 anos para quem comete crimes contra a honra é muito pequena.

No terceiro ano eu já estava acostumada com a minha alegria momentânea e achava que finalmente tudo tinha melhorado para nunca mais piorar.


Leia o post e comente sobre ele, caso contrário, o seu comentário será excluído.

Nessa época a minha mãe já estava desanimada com o trabalho dela e o fato de irmos para a igreja juntas e bater de frente com uma família espírita cardecista que nos tratava como se fôssemos alienígenas fez com que virássemos melhores amigas.

No colégio todos me aceitavam, eu tinha o meu amigo colorido e um grande amigo, que tinha mudado de colégio, mas eu me encontrava com ele todos os dias.

Na igreja eu decidi levar a sério a carreira de cantora gospel e decidi que não entraria na faculdade, mas viveria para Deus.

Então tudo começou a desmoronar, a minha mãe e a mãe do meu amigo brigaram feio e nos separaram, eu tentei suicídio pela última vez naquele dia.

Eu cortei os pulsos com o mesmo canivete que usara anos atrás e só não morri porque minha mãe me socorreu na hora.

Depois desse episódio minha mãe disse que não me internaria porque não tínhamos dinheiro, mas que eu estava proibida de fazer tudo, inclusive me comunicar com outras pessoas fora do colégio.

Hoje eu reconheço que eu era tão amiga do menino que eu mudei meu jeito de ser, mas ele também era o meu refúgio, um refúgio no qual eu me viciei.

Na igreja eu descobri que simplesmente ter o dom do louvor não bastava, mas para poder cantar no altar eu precisaria gravar um CD.

Fui em alguns estúdios e os produtores me disseram que dom eu tinha, mas me faltava técnica, na época eu  almejava estudar em um conservatório muito famoso em São Paulo.

Mas a mensalidade custava R$650,00 e para prestar a prova de bolsa eu tinha que saber tudo sobre a teoria da música e eu só sabia cantar. Eu quebrei de vez quando o meu amigo colorido disse:

- Nós não estamos funcionando mais, não me procure mais, arrume outro.

Nesse dia eu percebi que queria algo a mais com ele e decidi que era melhor que ficássemos separados mesmo, amizade colorida não era mais o meu remédio.

O terceiro ano acabou e eu não tive formatura nem nada, nunca peguei um diploma bonito como se vê nos filmes e não pude nem ir comemorar porque minha família estava passando por uma crise financeira.

¤ Os nomes foram modificados


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE A URL DO SEU BLOG. Ás vezes eu demoro para responder por conta da faculdade. Seja respeitoso, caso contrário, o seu comentário será excluído! Obrigada pela visita :)